quarta-feira, 30 de dezembro de 2015

DISTRITO DE PROGRESSO

Casas simples,
Cadeiras nas calçadas,
Ruas descalças...

Progresso.

Terreno sem muro,
Muro sem portão,
Portão sem cadeado...

Progresso.

Chuva de mangas,
Bananeiras no quintal,
Mato nas calçadas...

Progresso.

A rua vazia,
Um cachorro solitário, passeando,
Poeira...

Progresso.

Quem foi que te fez assim,
Quem combinou todas as formas do belo
Na tua realidade desconcertante?

Quando a claridade abre o dia,
Ou fere a fímbria do horizonte
Na morte escandalosa do sol mato-grossense
Pode-se sentir na alma:
O limiar,
A redenção,
A catarse...


Progresso.

2 comentários:

  1. Professor Dante! Lendo seu poema consegui me ver naquelas ruas pacatas, daquele charmoso Distrito. #gostei

    ResponderExcluir